SEENS TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
+55 (41) 3151-9551

Como um celular é hackeado? Conheça as técnicas e saiba se proteger

Existem diversas técnicas que o cibercrime pode usar para hackear um celular e ter acesso remoto a contas de aplicativos instalados no aparelho. Para invadir o Telegram ou Whatsapp, por exemplo, a única coisa necessária seria o número de telefone e o código de autenticação enviado por SMS.

Outra forma de hackear um smartphone é ter acesso físico ao aparelho – o que pode acontecer em casos de perda ou roubo do dispositivo e até através de alguma assistência técnica sem ética. Essa seria uma maneira simples de acessar os aplicativos e mensagens de qualquer um. E não dá para dizer que nem as senhas e biometrias são 100% seguras. Mas é sempre bom ter a função ativada no aparelho para pelo menos dificultar a vida do invasor.

Outra hipótese é um ataque direcionado. Nos últimos anos, surgiram uma série de relatos de ataques a computadores Windows e smartphones que sequer dependem de interação do usuário para que a infecção com um malware tenha sucesso. O ataque também pode chegar por meio de links falsos por e-mail, por exemplo. Entre diferentes métodos de ataque, um deles seria controlar o celular remotamente para obter as informações desejadas. Outro seria ficar de olho em senhas e outras informações sensíveis digitadas pelo procurador para utilização posterior.

Por último, a chance de todos terem sido vítimas na nova onda criminosa é bem grande também. É o chamado “Sim-Swap”, que envolve o sequestro do número telefônico da vítima através de contatos dentro das operadoras de telefonia móvel. Além disso, com informações pessoais vazadas em bancos de dados disponíveis na Deep Web ou mesmo comprando banco de dados de empresas de marketing, o criminoso consegue recuperar senhas em aplicativos de banco, redes sociais e vários outros serviços. O ponto fraco desta técnica é que o chip do celular do usuário atacado para de funcionar imediatamente, o que chama atenção para o ataque.

Mas, não há motivo para desespero. Se proteger não é muito difícil… a base de tudo está na educação digital do usuário…

Existem outras medidas que você pode tomar para evitar situações como estas. A ideia é fugir de aplicativos de mensagem que necessitem do seu número celular para realizar a troca de informações. Fora isso, todo cuidado é pouco. Desconfie sempre de ofertas mirabolantes e links suspeitos – independente de quem tenha vindo a mensagem. Por último, use sempre que possível a autenticação em duas etapas.

via olhardigital.com.br/fique_seguro