SEENS TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
+55 (41) 3151-9551

Descubra quais são os 7 comandos perigosos no Windows

Modificar a pasta System32, alterar ou apagar extensões de arquivos, editar o registro e excluir algumas pastas podem causar danos eternos ao sistema operacional

Alguns comandos no Windows podem ser prejudiciais para o funcionamento do sistema operacional. Assim, é necessário cuidado quando for apagar pastas, editar registros ou formatar o disco rígido do computador pois algumas ações podem ter consequências definitivas e comprometer o dispositivo. A seguir, veja sete comandos perigosos que podem ser prejudiciais para o sistema operacional da Microsoft.
1. Excluir a pasta System32

Reprodução

Essa pasta é um dos componentes centrais do programa da Microsoft. Presente desde o Windows 95, ela contém as “bibliotecas do Windows”, que nada mais são do que arquivos com extensão DLL fundamentais para o sistema operacional. Ela é repleta de programas e apenas o ato de mexer nela pode ocasionar problemas.

Evite até mesmo entrar na pasta, pois como consequência seu computador pode apresentar travamentos e a exibição da tela azul. Se você apagar a System32, não conseguirá mais ter acesso ao computador depois de reiniciá-lo e só conseguirá reverter a situação ao reinstalar o sistema ou restaurar o Windows.

2. Desligar a internet permanentemente

Existe um comando executado diretamente no prompt do Windows que pode desabilitar a internet do computador para sempre e tornar essa ação completamente irreversível. Isso acontece por ser uma função modificada pelos códigos do sistema operacional. Portanto, caso você não entenda de programação, evite mexer nas configurações de internet via prompt de comando.

3. Formatar o disco rígido

Reprodução

Essa dica segue a ideia da anterior: evite formatar o disco rígido do computador se não conhecer programação. Afinal, além de ser um ambiente “confuso”, a interface e a linguagem do prompt podem induzi-lo a erros. Assim como no item 2, as mudanças realizadas no código são irreversíveis. Se quiser formatar o HD e instalar uma nova versão do Windows, utilize o procedimento tradicional: ou seja, use a mídia original do sistema operacional.

4. Editar o registro

Para evitar acionar ou apagar qualquer comando e prevenir eventuais problemas, desative o acesso ao registro do Windows. Afinal, é lá que as informações importantes sobre o sistema e os programas instalados estão armazenadas. Por isso, se você fizer qualquer modificação, como limpar uma das chaves de registro acidentalmente, é possível que o computador não inicie corretamente ou não consiga encontrar determinado comando.

5. Apagar arquivos Pagefile.sys e Swapfile.sys

Reprodução

A regra é clara: evite mexer em arquivos terminados em .sys. Essa extensão vem de “system” (sistema) e, por isso, modificar ou apagar esses arquivos pode trazer danos sérios ao computador. É no Pagefile.sys que o computador armazena dados quando não há mais espaço na memória RAM. Então se ele for apagado, o sistema não conseguirá alocar os dados extras e o computador vai travar.

Por outro lado, o Swapfile.sys tem como função preservar esses dados na memória RAM quando o computador entra em hibernação. Se ele não existisse, toda vez que o computador fosse ligado após ficar em descanso, os dados seriam perdidos.

6. Alterar DLLs

Reprodução

Outra sigla para ficar atento: .DLL, que é a biblioteca de links dinâmicos (Dynamic Link Library). Ela aparece em vários arquivos do Windows e fornece uma série de recursos e instruções ao sistema e aos demais softwares do computador.

Existem inúmeros arquivos .DLL e cada um tem sua finalidade – o sistema costuma usá-los para a maioria das tarefas. Portanto, evite instalar programas crackeados que exigem que os arquivos .DLL originais sejam alterados.

7. Mudar ou personalizar extensões de arquivos

Cada extensão indica o formato do arquivo e as funções que ele exerce. Assim, modificá-las pode comprometer seu funcionamento e o do software responsável por executar determinadas funções. Por isso, evite renomear, mudar ou personalizar as extensões.

Via: Techtudo