SEENS TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO
+55 (41) 3151-9551

O que é malware? Tudo o que você precisa saber sobre vírus, trojans e software malicioso

Código malicioso tem o objetivo de causar danos em uma máquina sem que a vítima tenha conhecimento que houve algum tipo de comprometimento

Malware é a abreviação de ‘malicious software‘ (software malicioso em tradução livre), um tipo de programa de computador criado para infectar máquinas ou redes, com o objetivo de causar danos sem que a vítima tenha conhecimento que houve algum tipo de comprometimento.

Atualmente, há vários tipos de malwares, entre os mais comuns estão os Trojans (Cavalos de Troia) e os Spywares. Apesar de serem conhecidos como ‘vírus de computador’, existe uma grande diferença entre esses tipos de programas maliciosos. Confira quais as principais.

“Eu sou o Creeper: pegue-me se puder!”

Apesar de sua origem ser muito debatida, a teoria mais famosa é que o primeiro vírus de computador tenha surgido na década de 1970 e levava o nome de Creeper.

O Creeper se movia de host para host sem a entrada de um usuário ativo e rodou no sistema operacional Tenex, que era usado por toda a Arpanet, uma rede de computadores criada pelo Departamento de Defesa dos EUA e, quando o vírus pulava de um sistema para o outro, ele exibia a mensagem “Eu sou o Creeper: pegue-me se puder!”. Mesmo que ele não tenha sido criado para fins maliciosos, ele foi o primeiro vírus que operou desta forma.

Para alguns, o primeiro vírus de computador apareceu em 1986 e foi chamado de Brain. Ele conseguia espalhar cópias de si mesmo sem a necessidade de pular de um sistema para outro, como o Creeper fazia.

O Morris Worm, talvez, tenha sido um dos mais famosos vírus de computador em 1988. Ele, em poucas horas conectado à internet, infectou milhares de computadores e chegou a dar um prejuízo de milhões de dólares.

O Creeper, Brain e Morris não foram criados inicialmente como vírus e, para muitos, não são definidos como malwares de fato.

O verdadeiro malware

Foi só na década de 1990, quando houve um crescimento do uso da internet que os verdadeiros malwares começaram a surgir com fins maliciosos. Eles se espalhavam por discos, disquetes e, principalmente, por e-mails, através de anexos.

Vários softwares causaram danos durante o início da década. Eles excluíam dados, corrompiam discos rígidos, reproduziam sons e até exibiam mensagem nos computadores.Esses primeiros malwares, apesar de parecem inofensivos nos tempos atuais, foram a base para os vírus potentes que conhecemos hoje.

Os tipos de malware

O malware e seus desenvolvedores não pararam no tempo e evoluiram junto com os antivírus, ficando mais fortes e difíceis de serem removidos sem causar danos à máquina.

Cavalo de Troia, uma das formas mais comuns de malware, por exemplo, é um vírus disfarçado de uma ferramenta verdadeira que engana a vítima por parecer extremamente legítima. Após instalado, o Cavalo de Troia inicia os ataques, podendo extrair senhas, logins, capturar telas, informações do sistema e dados bancários, e posteriormente enviar tudo para o invasor.

Spyware, como o nome já diz, funciona como um espião. Nele, o invasor consegue monitorar as ações feitas no computador como histórico de navegação, aplicativos usados e até mensagens particulares.

Já o Ransomware funciona de forma mais agressiva em comparação com os outros. Nesta forma, o invasor consegue criptografar o sistema, bloqueando o usuário até a vítima fazer o pagamento para resgate, que é feito por bitcoin ou outra criptomoeda, sendo, muitas vezes, um golpe milionário.

O malware Wiper também é um dos que causam problemas com a perda de dados. Quando esse vírus é instalado ele pode apagar e destruir dados de um computador ou até mesmo de uma rede.

Como se proteger?

A melhor forma de se proteger contra os malwares é a prevenção. É importante manter o software e sistema operacional sempre com as atualizações mais recentes e, quando uma nova atualização for desenvolvida, procurar atualizar sua máquina com certa rapidez.

Outra forma complementar de prevenção é a instalação de algum software de segurança, o conhecido antivírus. Além disso, mantenha-se informado sobre o uso seguro de e-mails, arquivos de download e anúncios.

Fonte: ZDNet via https://olhardigital.com.br/